FUNDAFFEMG - Fundação AFFEMG de Assistência e Saúde

Doenças Sexualmente Transmissíveis

As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) são contraídas a partir do ato sexual sem camisinha. As mais comuns são Aids, sífilis, gonorreia, herpes, HPV e clamídia. Elas podem afetar, igualmente, homens e mulheres com vida sexual ativa, e o risco aumenta com a troca frequente de parceiros. As DSTs podem ser provocadas por vírus, bactérias ou fungos, por isso, os tratamentos são diversificados.

Prostatite

A prostatite é uma inflamação que provoca o crescimento anormal da próstata, gerando desconforto, dor e obstrução da urina. Em geral, o problema é originado por uma bactéria, mas também pode ser relacionado a um vírus, fungo ou outros agentes.

Novembro Azul

A campanha Novembro Azul é um movimento de prevenção ao câncer de próstata e preservação da saúde do homem. A ação começou a ser realizada, no Brasil, em 2012, pelo Instituto Lado a Lado Pela Vida, com o objetivo principal de quebrar a resistência dos homens em relação às consultas médicas, e, assim, estimular a realização dos exames preventivos, essenciais para diagnosticar doenças em fase inicial.

 

Candidíase

 O crescimento excessivo do fungo Candida (também chamado Monília), no organismo, provoca uma infecção denominada Candidíase ou Monolíase Vaginal. Tal irritação pode ser ocasionada pelo enfraquecimento do sistema imunológico ou pelo uso de alguns antibióticos.

..

Diabetes Gestacional


 No decorrer da gravidez, normalmente a partir do terceiro trimestre, ocorre um aumento de glicose no sangue da mulher (hiperglicemia), para suprir as necessidades do bebê. Nesse período, porém, a placenta produz substâncias que bloqueiam a ação da insulina, fazendo com que a quantidade desse hormônio, produzido pelo pâncreas, seja insuficiente para transformar a quantidade de açúcar em energia, levando ao diabetes gestacional.

 

Durante a gravidez, a mãe precisará tomar uma série de cuidados e realizar o pré-natal corretamente. Após o parto, o problema tende a desaparecer, pois os níveis de açúcar no sangue, geralmente, se normalizam em uma semana. A hiperglicemia na gravidez pode atingir qualquer mulher e nem sempre é possível identificar os sintomas. Dessa forma, é recomendado que toda gestante, a partir da 24ª semana, busque monitorar, regularmente, a glicose.

 

SINTOMAS

Raramente, os sintomas do diabetes gestacional são detectados facilmente, porque podem ser confundidos com mudanças comuns que acontecem durante a gravidez, como visão turva e aumento de sede, fome e micção.

 

FATORES DE RISCO

·         Gestação após os 25 anos;

·         Sobrepeso ou obesidade;

·         Ganho de peso em excesso na gravidez;

·         Síndrome dos ovários policísticos;

·         Histórico de diabetes em parentes de 1º grau, ou de diabetes gestacional na família;

·         Histórico de filhos que nasceram com mais de 4 kg.

·         Diabetes gestacional na gravidez anterior;

·         Hipertensão arterial na gravidez;

·         Gestação de gêmeos.

   

DIAGNÓSTICO

O diabetes gestacional é diagnosticado por meio do exame de sangue entre a 24ª e a 28ª semanas de gravidez. Se o problema for confirmado, o médico solicitará outros testes para avaliar a saúde da mãe e do bebê. As consultas periódicas durante o pré-natal são essenciais para identificar qualquer complicação.

 

TRATAMENTO

O tratamento recomendado para o diabetes gestacional é uma uma orientação nutricional específica e a prática de atividades físicas, se não houver contraindicação. Caso esses métodos não sejam eficazes, o médico poderá indicar as injeções periódicas de insulina ou um medicamento que controle o açúcar no sangue. O desenvolvimento da criança no útero também será verificado constantemente.

Com o monitoramento adequado, o bebê permanecerá saudável. Mas, se isso não for feito, a criança pode nascer com excesso de peso, prematura, ter uma hipoglicemia, diabetes tipo 2, icterícia ou, em casos extremos, perder a vida. No caso da mãe, a falta de controle do diabetes na gestação poderá causar hipertensão e o desenvolvimento do diabetes tipo 2, depois da gravidez. Após o parto, o médico solicitará novos exames de sangue para monitorar o nível de glicose.

 

Informações retiradas dos sites diamundialdodiabetes.org.br e minhavida.com.br.

 

..........................................................................................................................................
 [volta página anterior]
 
 
Receba nosso

Boletim Eletrônico


.............................................................................................................................................................................................
FUNDAFFEMG   |   Rua Sergipe, 893   .   Funcionários   .   30130-171   .   BH/MG   .   Tel (31) 2103-5858   .   Fax (31) 2103-5890