FUNDAFFEMG - Fundação AFFEMG de Assistência e Saúde

Sinal verde para a segurança no trânsito

A cada ano, acidentes de trânsito matam 1,25 milhão de pessoas em todo mundo, segundo informações da Organização das Nações Unidas (ONU). Por isso, a ONU incluiu, em sua agenda para a prosperidade em 2030, um Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) voltado a reduzir pela metade, até 2020, a taxa de mortes dessa natureza. Infelizmente, o Brasil está longe de alcançar a meta.

 

Viver com saúde na terceira idade

Segundo a Dra. Dóris Diniz Nascimento, geriatra da FUNDAFFFEMG, a qualidade de vida na velhice é sustentada por quatro pilares: alimentação saudável, atividade física regular, equilíbrio emocional/mental e equilíbrio financeiro. “Se o idoso tem esses pilares bem estabelecidos, as limitações físicas comuns do envelhecimento vão ficando para mais tarde”, orienta. Para a especialista, as quatro frentes também são decisivas para proporcionar autonomia às pessoas com mais de 60 anos.

Vamos falar sobre meningite?

A cada caso de meningite noticiado na imprensa, um movimento costuma ser comum: correr para garantir a imunização das crianças. A preocupação é legítima. A doença é grave, demanda internação hospitalar para o tratamento e é mais comum entre os menores de 5 anos. Mas é preciso ter em mente que não há, atualmente, surto (aumento considerável em local específico) de meningite ou epidemia (ocorrência em várias regiões ao mesmo tempo) no Brasil.

Prato cheio de saúde

Qual é a fórmula da saúde? A resposta pode variar nos detalhes, mas sempre passa pela dupla: alimentação saudável e prática regular de exercícios físicos. Adotar esses hábitos pode parecer uma tarefa simples, apesar de muitos brasileiros ainda terem dificuldade em manter uma rotina que faça bem ao corpo e à mente. E é esse um dos fatores que contribuem para que 1 em cada 5 brasileiros moradores de capitais tenha obesidade, como revela uma pesquisa do Ministério da Saúde, realizada em 2017.

..

Os perigos de não se vacinar


Desde 2015, a cobertura vacinal obrigatória no Brasil vem registrando quedas consecutivas, especialmente entre crianças com menos de 1 ano de idade – nessa faixa etária, o Ministério da Saúde registrou, em 2017, o menor índice em 16 anos. A tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) tinha alcance próximo a 100% em 2014 e caiu para 84,9% no ano passado. A vacina contra a poliomielite, com mais de 95% de abrangência em 2015, chegou a 77%. Enquanto os números caem, o Brasil volta a registrar casos de doenças até então controladas, como os surtos de sarampo na região Norte, que assustam e colocam todos em risco, especialmente as crianças.

 

 

Segundo a Dra. Dóris Diniz do Nascimento, especialista em clínica médica e geriatria que atende pela FUNDAFFEMG, o retorno das doenças ocorre pela falta de imunização. “Muitos pais têm deixado de vacinar seus filhos”, informa. A médica avalia que o comportamento pode ter como causa o fato de que as novas gerações, principalmente, não vivenciaram períodos em que enfermidades como sarampo, poliomielite, difteria e tétano eram comuns. “Precisamos reverter essas condutas: deve-se ter em mente a importância da vacinação, uma das principais medidas de prevenção contra doenças causadas por vírus e bactérias que podem, inclusive, levar à morte.”

 

 

É crucial que todas as pessoas tenham o seu cartão com o histórico de vacinas. “Caso o documento tenha sido perdido e não seja possível ter certeza quanto à imunização, recomendamos a aplicação da vacina para a segurança do paciente. Mas é necessário ter ciência do intervalo mínimo necessário entre uma dose e outra”, afirma Dra. Dóris. O site da Sociedade Brasileira de Imunização (www.sbim.org.br) possui calendários de vacinação com orientações específicas para cada faixa etária.

  

COMO FUNCIONA A VACINAÇÃO NA FUNDAFFEMG?

Gripe

Beneficiários que residem em locais onde não acontece a ação e que se encaixam na faixa etária podem solicitar o reembolso* se forem imunizados em clínicas particulares durante o período da campanha.

Pneumonia

Beneficiários com idade acima de 60 anos e/ou portadores de doenças crônicas (empossados de relatórios médicos que indicam a vacinação) podem solicitar o reembolso* se forem  imunizados em clínicas particulares durante o período da campanha.

 

Hepatite B

Reembolso* para beneficiários com idade acima de 50 anos.

 

Herpes-zóster

 

Reembolso* para beneficiários com idade acima de 50 anos.

 

HPV

Reembolso* para beneficiários com idade entre 9 e 26 anos.

 

* Os valores dos reembolsos seguem a tabela FUNDAFFEMG vigente.

 

O Brasil é reconhecido internacionalmente por seu Programa Nacional de Imunização (PNI), que disponibiliza vacinas gratuitamente à população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). A iniciativa foi criada em 1973 com quatro tipos de vacinas, e, atualmente, são oferecidas 27, sem qualquer custo. Utilize esse benefício!

 

..........................................................................................................................................
 [volta página anterior]
 
 
Receba nosso

Boletim Eletrônico


.............................................................................................................................................................................................
Rua Sergipe, 893 . Savassi - BH/MG - CEP:30130-171 . Telefone (31)2103-5858