FUNDAFFEMG - Fundação AFFEMG de Assistência e Saúde

Mamografia: exame que salva vidas

A mulher conta com um aliado na luta contra o câncer de mama. Trata-se do exame, que, dada a sua importância, possui até um dia dedicado a ele: o Dia Nacional da Mamografia, lembrado em 5 de fevereiro. A data foi instituída em 2008 no Brasil para sensibilizar a população sobre o tema. E o alerta é necessário: a cobertura mamográ­fica no país está longe de alcançar os patamares indicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A recomendação é que ao menos 70% das mulheres entre 50 e 69 anos realizem periodicamente o exame. Mas, em 2017, apenas 24,1% da população feminina nessa faixa etária fez a mamogra­fia – o pior índice nos últimos cinco anos.

A luta das mulheres está só começando

 

Ser mulher ainda é um desa­fio no Brasil e no mundo. É por isso que a data dedicada a elas, o Dia da Mulher (8 de março), tem se tornado um momento para comemorar avanços, mas também para colocar em pauta os desafios relacionados ao gênero.

Dengue, zika e chikungunya: saiba suas diferenças e como evitar as doenças

Verão é sinônimo de altas temperaturas e grande volume de chuvas, ideais para a proliferação do mosquito urbano que quase todo brasileiro conhece: o Aedes aegypti, causador da dengue, zika e chikungunya. De forma geral, as doenças provocam febre, dores de cabeça e nas articulações, além de enjoo e manchas pelo corpo. Mas há diferenças importantes que influenciam no tratamento de cada uma.

Fique atento: alguns exames e procedimentos demandam autorização prévia

O Carnaval está logo aí. Caso você tenha algum exame ou procedimento a ser realizado neste período e que demande autorização prévia, adiante-se e solicite a autorização para a Fundaffemg até 28/02/2019.

..

SUICÍDIO: um tema delicado e necessário


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada 40 segundos, há um suicídio no mundo, e, a cada 45 minutos, um no Brasil. Entre 2012 e 2017, o total de jovens brasileiros com idade entre 15 e 29 anos que tiraram suas próprias vidas cresceu 10%, segundo dados do Mapa da Violência feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Mas por que pessoas estão dando fim à vida justamente na fase associada a descobertas e prazeres? “A resposta pode estar relacionada ao novo estilo de vida que a sociedade vem adotando, principalmente com a evolução da internet. Muitas pessoas se isolam em ambientes virtuais e vivem relações vazias se comparadas às das gerações anteriores”, explica o psicólogo

 

Luiz Eduardo Pelizer, que atende no Centro de Promoção da Saúde (CPS) de Belo Horizonte. Luiz foi um dos participantes de um evento promovido pela FUNDAFFEMG no dia 13 de setembro, em Belo Horizonte, como parte do Setembro Amarelo – movimento criado no Brasil para despertar a atenção sobre o tema suicídio e mostrar que uma tragédia pode ser evitada em 90% dos casos. Beneficiários foram convidados para um bate-papo com profissionais da área de saúde mental. A iniciativa também foi realizada em Juiz de Fora e Varginha.

 

Mais de 90% dos casos de suicídio estão associados a distúrbios mentais, segundo a OMS. Os transtornos de humor, entre os quais se destaca a depressão, concentram os diagnósticos – 36% das vítimas conviviam com o problema. Dependência de álcool (em 23% dos casos), esquizofrenia (14%) e transtornos de personalidade (10%) também se relacionam com o suicídio.

 

SINTOMAS

A depressão, assim como qualquer outra doença, apresenta sintomas. “A família e os amigos podem ajudar na identificação. Se a pessoa apresentar por duas semanas, no mínimo, sinais como isolamento social, tristeza constante, ausência de vontades, dores pelo corpo e alterações de apetite e sono, é preciso procurar um especialista”, explica a psiquiatra Dra. Marina Amaral Tavares, que também atende no CPS de Belo Horizonte e participou do evento realizado na capital mineira. O importante é não ter preconceitos e saber que qualquer pessoa está sujeita a adoecer mentalmente.

 

TRATAMENTO

O tratamento varia de acordo com cada caso: leve, moderado ou grave. O acompanhamento psicoterápico é fundamental, e existem vários medicamentos que podem ser prescritos por um psiquiatra. Segundo Dra. Marina, “os antidepressivos são remédios seguros e que não viciam, podendo, a critério médico, ser utilizados até mesmo na gravidez.” Meditar, adotar pensamentos positivos, parar de sofrer com os erros do passado, focar o presente e criar o hábito de praticar exercícios físicos também são atitudes que podem ajudar a superar o problema.  Luiz Eduardo acrescenta que é “fundamental evitar excessos de álcool e drogas”.

 

Outro fator que ajuda na recuperação é a religiosidade. “A fé em Deus faz com que as pessoas busquem relações enriquecidas de afeto, de acolhimento e, também, o desenvolvimento de comportamentos altruístas que contribuem para a construção da felicidade”, afirma Cristina Castilho, psicóloga clínica participante da conversa de Belo Horizonte e que também atende no CPS da capital. Segundo a profissional, estudos acadêmicos mostram que pessoas engajadas com religião apresentam maior qualidade de vida e menor índice de depressão, ansiedade e suicídio. Inclusive, a Associação Mundial de Psiquiatria – instituição que tem como um dos objetivos assegurar a promoção e cuidados em saúde mental – recomenda a realização de sessões que abordem temas como espiritualidade e religiosidade.

Em relação à cura, Dra. Marina explica que ela existe. “Quando o tratamento é feito corretamente no primeiro episódio, as chances de melhora são maiores”.

..........................................................................................................................................
 [volta página anterior]
 
 
Receba nosso

Boletim Eletrônico


.............................................................................................................................................................................................
Rua Sergipe, 893 . Savassi - BH/MG - CEP:30130-171 . Telefone (31)2103-5858