FUNDAFFEMG - Fundação AFFEMG de Assistência e Saúde

Use as máscaras corretamente

Até 25 de maio, o Brasil registrou o total de 363.211 casos de contaminação pelo novo coronavírus em todo o país, segundo informações do Ministério da Saúde. Até aquele momento, 22.666 mortes foram provocadas pela Covid-19. Em Minas Gerais, são 6.668 casos e 226 mortes.

Os riscos de uma doença silenciosa

Todo mês, uma em cada dez brasileiras sofre na pele os efeitos negativos da endometriose, muitas delas sem saber que têm a doença, pelo fato de confundirem as cólicas e dores abdominais com sinais da tensão pré-menstrual. A estimativa é feita pelo Ministério da Saúde, que alerta para a importância de se investigar esses sintomas e diagnosticar a patologia inflamatória, que ataca o tecido do útero, os ovários, a bexiga e até mesmo o intestino.

Sempre prontos para atender você

A FUNDAFFEMG tem como um de seus princípios a excelência no relacionamento com nossos beneficiários. Para que estejamos sempre próximos e abertos para o contato com você e sua família, mantemos diversos canais de comunicação e de atendimento que nos apoiam no cumprimento desta diretriz.

Tempo seco e frio são fatores de risco para doenças respiratórias

Nos últimos meses, uma nova doença do trato respiratório alterou a rotina das populações em todo o mundo: a Covid-19, causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2. O isolamento social determinado pelas autoridades locais, o distanciamento mínimo de dois metros entre as pessoas, o uso de máscara e o reforço às medidas de higienização das mãos, com água e sabão ou com álcool 70%, são algumas das medidas obrigatórias para este período.

..

Sinal verde para a segurança no trânsito


A cada ano, acidentes de trânsito matam 1,25 milhão de pessoas em todo mundo, segundo informações da Organização das Nações Unidas (ONU). Por isso, a ONU incluiu, em sua agenda para a prosperidade em 2030, um Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) voltado a reduzir pela metade, até 2020, a taxa de mortes dessa natureza. Infelizmente, o Brasil está longe de alcançar a meta.

 

Em 2016, o Ministério da Saúde registrou cerca de 37 mil mortes no trânsito, número superior ao limite de 19 mil fatalidades preconizado pela ONU. A estatística

responde, ainda, por 60% do índice de ocupação em leitos do Sistema Único de Saúde (SUS). Informações como essas têm mobilizado poder público e sociedade civil durante o Maio Amarelo, dedicado ao tema. A data é ideal para reforçar orientações básicas, mas também para relembrar como é importante adotar um comportamento seguro antes de ocupar a poltrona do motorista.

 

Prevenção ao volante

Para o clínico geral e cardiologista da FUNDAFFEMG Alfredo Pazzini Neto, todas as pessoas que dirigem precisam estar atentas à própria saúde e avaliar  constantemente se estão em condições físicas e emocionais para conduzir um veículo. “Por exemplo, se o condutor quer chegar logo ao destino em uma viagem, pode reduzir os momentos de pausa, ocasionando fadiga, sonolência e reflexos retardados. Tudo isso aumenta o risco de acidente”, observa. Por isso, uma rápida parada em intervalos de 2 a 3 horas é uma atitude preventiva simples.

O condutor também deve estar atento ao uso de medicamentos que podem causar sonolência ou retardamento dos reflexos, como anticonvulsivantes, antidepressivos, ansiolíticos e alguns antialérgicos. “O cuidado deve ser ainda maior se a pessoa está iniciando o uso do medicamento, período em que os efeitos podem ser ainda mais expressivos”, orienta Dr. Alfredo.

Outra orientação preventiva diz respeito à saúde emocional. “Um condutor   estressado tem seu julgamento alterado, a atenção dividida entre o trânsito e seus problemas emocionais”, alerta o especialista. Por isso, é importante avaliar se as situações cotidianas estão lhe afetando mais do que o normal e procurar apoio médico quando necessário.

 

Quando pedir apoio médico?

Todo motorista deve ter atenção especial à qualidade da própria visão e audição. Anualmente, ele deve se submeter a exame de acuidade visual. Já o teste de acuidade auditiva deve ser feito se o condutor apresentar alguma queixa, como zumbido, ou for registrada situação anormal no exame periódico do Departamento de Trânsito (Detran).

Ao volante, o motorista deve parar o carro e solicitar apoio médico caso note a ocorrência de qualquer sintoma relevante, como alterações visuais, falta de ar, dores no peito ou palpitações. “Também é importante que o cidadão evite dirigir quando não estiver se sentindo bem ou vivenciar situações em que não se julga capaz de conduzir em segurança”, completa Dr. Alfredo.

 

..........................................................................................................................................
 [volta página anterior]
 
 
Receba nosso

Boletim Eletrônico


.............................................................................................................................................................................................
Rua Sergipe, 893 . Savassi - BH/MG - CEP:30130-171 . Telefone (31)2103-5858